sexta-feira, 10 de outubro de 2008

Fiquem!


Sigo as pegadas, os trilhos que me foram ensinados... o vento ajuda-me a proseguir o caminho, incentiva-me a ir, a nao ter medo, a ser forte! O mar nao deixa duvidas... e este o caminho a seguir. Quer faca sol ou chuva, sei que o meu caminho e por aqui, sei que estou no trilho certo, sei que vou conseguir o que quero. Sinto a areia nas minhas maos, o respirar da natureza ao meu ouvido, o leve toque do sol na minha cara... Consigo senti-los, sao tao essenciais como qualquer um de voces. Nao me deixam sozinha nem me abandonam, estao sempre presentes quando preciso e nao poem em causa o meu certo ou errado, apenas me dao o empurrao para o lado mais apropriado. Impensavel viver sem eles por perto, tal como voces. Sao como o equilibrio da balanca... para eu estar em equilibrio comigo tenho que vos ter a voces e a eles. Sao a minha vida e o meu viver, a minha alegria e o meu sorriso, a minha tristeza e as minhas lagrimas...
O vento, o mar e o sol nao me deixam, nunca me deixem tambem!
Rita Magalhaes

8 comentários:

Ricardo disse...

É impossível alguém te deixar. A tua presença é indispensável nas nossas vidas. Tornas-te algo tão importante como o simples respirar, o simples comer ou até brincar. Assim que entras na vida de alguém deixas lá a tua assinatura marcada bem fundo no coração, isso é impossível tirar. Vive aí o melhor possível por aqui esperamos por ti como quem espera pelo sol todas as manhãs. @

RuiMag disse...

estás tótó?????
achas que te deixavamos assim?
nunca em tempo algum ,ainda vais pedir para te darmos espaço,porque nós vamos estar colados a ti hihihihihhihihih
beijos muito grandes dos teus kidos mais fofos mamipapimano

RuiMag disse...

comentário anterior é escrito pela mami,não consegui escrever na minha sessão
sabes como é coisitas da mami bjs

piu piu disse...

AS PALAVRAS

São como um cristal,
as palavras.
Algumas, um punhal,
um incêndio.
Outras,
orvalho apenas.

Secretas vêm, cheias de memória.
Inseguras navegam:
barcos ou beijos,
as águas estremecem.

Desamparadas, inocentes,
leves.
Tecidas são de luz
e são a noite.
E mesmo pálidas
verdes paraísos lembram ainda.

Quem as escuta? Quem
as recolhe, assim,
cruéis, desfeitas,
nas suas conchas puras?

EUGÉNIO DE ANDRADE


P.S. Quem escreve como tu, está condenado a nunca ficar sózinho...

piu piu

RuiMag disse...

esvreves tao bem fofinha es a minha felicidade estou cheio de saudades


amo-te mana liiinda
muitos beijinhosss


Mano

RuiMag disse...

Todos os dias torcemos por ti. O importante para nós é que continues a ser e a sentir-te feliz.

aquela beijão
papá

aranha negra disse...

A sensação de nos estarmos sós no mundo é algo que nos alimenta e faz de nós pessoas melhores e melhores essoas ara os outros.

Só estamos sós qundo não temos ninguém que nos ama, ou no limite quando não nos amamos a nós próprios.

Nada disto se passa contigo...

Sê feliz e aproveita

Beijos
O Tio mais lindo do mundo!

aranha negra disse...

A sensação de nao estarmos sós no mundo é algo que nos alimenta e faz de nós pessoas melhores e melhores essoas ara os outros.

Só estamos sós qundo não temos ninguém que nos ama, ou no limite quando não nos amamos a nós próprios.

Nada disto se passa contigo...

Sê feliz e aproveita

Beijos
O Tio mais lindo do mundo!