terça-feira, 2 de setembro de 2008

Sorriso a voltar

Os sentimentos comecam-se a confundir. Ja nao sei se hei-de sentir saudades ou esbocar um sorriso pensando que tenho todo o apoio que sempre desejei. E dificil controlar as emocoes, sejam elas boas ou mas. Consigo sentir um vazio e ao mesmo tempo estar rodeada de gente, consigo chorar ao mesmo tempo que sorrio por estar aqui... Confusao de sentimentos que nao sao possiveis de explicar por simples palavras. Contudo, acho que o sorriso se sobrepoe as lagrimas e ja consigo dizer 'estou feliz aqui'. Nao quer isto dizer que deixei de chorar, de sentir saudades ou mesmo de querer voltar.. simplesmente ja consigo controlar-me e dizer 'isto e o melhor para mim, eu vou conseguir'.
As lagrimas deixaram de cair sem motivo e consigo agora ser positiva durante todo o dia. No entanto, quando me envolvo nos lencois a tentar sossegar de um dia ocupado, tenho mil ideias na cabeca e 90% das quais nao as tinha antes de ficar sozinha. E muito cedo para conseguir tudo ao mesmo tempo, mas consigo dizer que vou conseguir! TUDO... sem hesitar, sem pressoes e com todo o apoio. Esse que todos voces me tem dado com um simples 'ola' ou dizendo 'adoro-te, tenho maior orgulho em ti'. Esse que sem duvida e a melhor coisa do mundo.

Apesar de ser um cliche digo com todas as letras: 'SO DAMOS VALOR AQUILO QUE TEMOS QUANDO AS PERDEMOS OU NOS AFASTAMOS'

Tudo o que me acontece aqui serve de licao, todas as atitudes, todos os pensamentos, todas as actividades que faco... Consegui em poucos dias amadurecer e tirar sozinha as minhas proprias conclusoes sobre os meus actos. Custumam-lhe chamar 'auto-avaliacao' eu simplesmente chamo

Maturidade, Crescimento e Auto-Controlo.
Rita Magalhaes

2 comentários:

piu piu disse...

AS POUCAS PALAVRAS

Foi um dia, e outro dia, e outro ainda.
Só isso: o céu azul, a sombra lisa,
o livro aberto.
E algumas palavras. Poucas,
ditas como por acaso.

Eram contudo palavras de amor.
Não propriamente ditas,
antes adivinhadas. Ou só pressentidas.
Como folhas verdes de passagem.
Um verde, digamos, brilhante,
de laranjeiras.

Foi como se de repente chovesse:
as folhas, quero dizer, as palavras
brilharam. Não que fossem ditas,
mas eram de amor, embora só adivinhadas.
Por isso brilhavam. Como folhas
molhadas.

EUGÉNIO DE ANDRADE


As minhas POUCAS PALAVRAS também são, de amor e admiração... como as que tens recebido.

SEMPRE PRESENTE

Isabel disse...

Boa tarde, Minha Querida!

Escrevo-te hoje, mas parecendo ausente…estarei sempre presente.
Li o teu pensamento do dia, que traduz o teu estado de espírito e percebi-te muito bem! Em tempos, também tive de viajar e deixar os que eu mais queria; é verdade que era mais velha mas também tinha outras responsabilidades. Os meus sentimentos não eram contudo diferentes dos teus. Tive angústias, lágrimas, saudade, tristeza, vontade de desistir (porque não dizer…!), mas mantive-me firme e a mostrar um sorriso quando chorava por dentro.
O grande sorriso veio quando cheguei ao fim e tinha conseguido vencer todos os obstáculos (os meus sentimentos eram o maior deles). Logo a seguir e ainda hoje vejo como a minha vida foi orientada por esse sacrifício e como ganhei avanço ao ter de conhecer e conviver com outras sensibilidades e culturas.
O SORRISO VAI VOLTAR muito em breve, porque tu tens uma FIBRA, que não amolece, que se mantém no seu sitio, bem tesa, porque o teu ADN te deu essa característica e porque a TUA MATURIDADE, CRESCIMENTO E AUTO-CONTROLO, estão em forte evolução.
Vamos falando…
Da tua madrinha, presente!